Bem estar animal

print-128x128

Violência contra animais e violência doméstica: qual a ligação existente?


dog_256.jpgQual a relação entre maus-tratos e crueldades para com os animais e a violência doméstica? Existe um elo entre eles?
Não é de hoje que pesquisas comprovam a ligação entre a violência doméstica e a violência contra os animais de estimação, esta última servindo como sinal de alerta para a possível existência da violência contra seres humanos mais fragilizados no contexto familiar, como no caso de crianças, idosos e mulheres. Mas também a crueldade contra os animais está presente como uma característica comum nos registros de estupradores e asssassinos em série. O abuso contra animais aparece de forma clara nas histórias de pessoas com comportamento violento (FBI. 1998, Alan Bantley, 1996).

A violência doméstica, muitas vezes, começa com o abuso ou maus-tratos de animais. Dessa forma cientistas e órgãos de execução penal norte-americanos passaram a encarar crueldade contra animais como grave problema humano, diretamente relacionado à violência doméstica, abusos contra crianças, idosos e outros crimes violentos, se tornando um meio eficaz de romper o ciclo de violência doméstica de uma geração para a outra (Associação Internacional dos Chefes de Polícia, 2000).

Na Filadélfia (EUA) uma criança de 4 anos foi espancada até a morte em janeiro de 1999. Mas as autoridades de controle de cães e gatos já haviam estado no local, meses antes, devido a denúncias de crueldade com o cão da família, feitas por vizinhos. Esse caso, entre centenas de outros, é um exemplo de como os serviços de controle de zoonoses e de controle de populações de cães e gatos, em parceria com os profissionais médicos veterinários, podem auxiliar os órgãos competentes a diagnosticar a violência doméstica (Phl Arkow, 2004).


Leia mais:Violência contra animais e violência doméstica: qual a ligação existente?

  • Hits: 28910

Cadeira de locomoção para cão Daschund

kindaosetembro20041.jpguma homenagem ao nosso querido Kindão

Esta página foi criada com o objetivo de compartilhar minha experiência na confecção de cadeiras de locomoção para cães daschund, que como o nosso, apresentaram problemas devido à ocorrência de hérnia de disco. Ela é uma homenagem ao nosso bravo Kinder, que em maio de 2005 completaria 11 anos de idade e que já estava há dois anos paralisado, apesar das duas intervenções cirúrgicas que passou para tentar solucionar o seu problema. Também é uma tentativa de compartilhar o que aprendi ao longo destes dois anos de convívio com este ser tão querido e sua deficiência adquirida.

Não desisti dele, apesar de todos os transtornos e trabalho requerido para cuidá-lo. A confecção de algo semelhante a esta cadeira permite que ele leve uma vida quase normal, com liberdade de locomoção sem o aparecimento das feridas que ocorrem se o animal se arrasta pelo chão. Tomo a liberdade de te dizer, não desista do seu cão por este motivo, fui feliz por dois anos ajudando meu Kindão a seguir vivendo com alguma qualidade de vida, e tenho orgulho de haver podido propiciar isto para ele!

Infelizmente meu amado Kindão deixou de ter condições de continuar vivendo devido ao avanço da doença, que começou a causar-lhe sofrimento, o que obrigou-me a optar pela eutanásia em janeiro de 2005, após muita reflexão. Esta página é para ti, meu véio kina querido, estejas aonde estiver, esta foi a forma que eu achei de ajudar outros filhotes queridos como tu para que possam estar mais tempo próximos a seus donos.

Luiz Alberto Feijó Junior
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


1ª cadeira do Kinder

Este é o kinder em sua primeira cadeira, confeccionada logo após sua primeira cirurgia. Ela funcionou bem, mas tinha uma estrutura de alumínio complicada e logo começou a se deteriorar, soltando partes e quebrando o alumínio. o assento era de neoprene, mesmo material das roupas dos surfistas, mas logo se sujou e partiu. Foi adquirida por R$ 400,00, o que é um valor muito alto e pouco acessível.

Esta foto permite observar as patas traseiras do Kinder , que ficavam soltas no solo e por isto requeriam o uso de pequenos "sapatos"para cães, uma vez que o atrito fazia com que ele machucasse as patinhas traseiras.


Outra foto da primeira cadeira.

2ª cadeira do Kinder

Esta segunda cadeira funciona muito melhor que a primeira. Ela foi construída com base na caçamba de um caminhão de brinquedo, um par de rodas com eixo e algumas porcas e parafusos, além de um cano de alumínio dobrado para o apoio lombar. Sua fixação é feita usando a própria coleira do cão, conforme mostrado nas figuras abaixo.

Observe que as patas não ficam mais para fora, mas são colocadas dentro do suporte feito da caçamba do caminhão de brinquedo.

As patas são dobradas e a parte posterior do animal é acomodada em uma pequena almofada de plástico, que pode facilmente ser limpa e substituída.

A fixação da cadeira ao animal se faz usando a própria coleira do mesmo.


Ele aprendeu rapidamente a descansar com a cadeira! Para este fim sempre deixamos uma almofada a sua disposição!

Esta foto permite ver o quão simples é a estrutura de sustentação da cadeira. Foram colocadas duas longarinas de alumínio fixadas na parte inferior da cadeira para aumentar a rigidez do plástico. As rodas são facilmente encontradas em ferragens. A altura do conjunto é tal que a parte traseira do cão fique na mesma altura dele (das patas dianteiras).

Download dos videos do uso da cadeira proposta aqui.

- kinder e pantufa na chegada.mpg
- Kinder em 1996.wmv

 

Dica para aumentar o conforto e amenizar o problema de higiene do cão

Um dos problemas mais desagradáveis e difícil de lidar é a questão de como acomodar o cão para dormir, uma vez que pode ocorrer a perda do controle do esfíncter (o cão se suja com as fezes ou urina quando está deitado). Depois de muitas tentativas descobrimos que uma forma bem prática é colocar a parte traseira do animal em uma bolsa plástica (sacola de supermercado) e prendê-la na peiteira (a mesma usada para fixar a cadeira de rodas durante o dia). Dentro da sacola coloca-se folhas de jornal de forma a minimizar o contato do animal com seus excrementos. Pela manhã a higiene é mais fácil pois se restringe à retirada da sacola e eventual higiene do cão. Desta maneira ele pode se acomodar em posição

  • Hits: 26112