Bem-Vindo, Visitante
Nome de usuário: Senha: Lembrar-me
  • Página:
  • 1
  • 2

TÓPICO: Comitês de ética

Re: Comitês de ética 11 anos 9 meses atrás #819

Oi Sergio

Cada vez concordo mais com tua postura, sei que não temos condições de saber, entender,sugerir e mudar a grande quantidade de pesquisas que são feitas em todos os lugares... é muito desesperador olhar a ponta desse caminho e ver o quanto precisamos ainda percorrer para chegarmos ao nosso objetivo... e enquanto isso os animais estarão lá dentro...
Outro dia estava conversando com a anamaria Feijó (talvez conheças - é doutora em bioética - não é antivivisseccionista, prega a ética na vivissecção) e ela me comentava das exigências da anvisa para o lançamento de um novo fármaco no mercado... experiência com animais de 3 espécies diferentes (não lembrava mais desse "detalhe"... quanto a isso, fiquei curiosa ... já existe algum projeto de lei para mudar isso?)

Qual a tua experiência com relação a postura dos alunos com relação ao uso de animais (ou de alternativass)... te parece que trabalhar junto aos centros acadêmicos pode ser uma boa alternativa?
Os pesquisadores não pensam em mudança, os professores idem... se os alunos não forem um bom campo para semear, ai sim... CORTO OS PULSOS!!!!!!!!!
tá, não vou cortar, mas dá vontade...

bj
mluiza


Oi Maria Luiza

Acho que conheci a Ana Maria Feijó em Cuba, em 2001, não tenho certeza. Se você tem contato com ela pergunte se ela esteve por aqueles lados nesta época.

Sim, é isto mesmo. A ANVISA exige que o experimento toxicológico mais simples (toxicidade aguda) seja realizado em 3 espécies de animais (sendo pelo menos uma delas um não roedor). Esta exigência, porém, é conveniente para a indústria farmacêutica, que se não quisesse simplesmente colocaria seu lobby em ação para mudar a lei.

O que penso em relação aos estudantes: Sim, eles estão propícios a boicotar aulas que utilizem animais, mas não, eles não vão se convencer por uma argumentação toda baseada na ética. Mesmo que o que nos leve a ser anti-vivisseccionistas sejam os direitos dos animais, estes argumentos não convencerão muitas das pessoas que são a favor dos experimentos, porque no final o que importa mais é a saúde humana e o aprendizado efetivo.

Por isso, a estratégia mais eficaz, no caso da vivissecção, é combatê-la como algo inútil e prejudicial. Pode-se mostrar, por exemplo, que existem métodos substitutivos para animais em sala de aula e que estudantes que utilizam estes métodos aprendem melhor por vários motivos. Na pesquisa, pode-se mostrar os erros históricos advindos da pesquisa com animais e como teríamos tratamentos mais seguros se enfocássemos nosso sistema de saúde nas questões que realmente importam, em vez da venda de remédios.

beijos

Sérgio

Por favor Entrar ou Registrar para participar da conversa.

Abolicionismo na vivissecção 11 anos 9 meses atrás #820

Oi Sergio

Jogo a toalha.... não tenho mais argumentos... estou convencida. Não temos o que fazer em um comitê de ética.
Posso argumentar a favor que, tendo gente nossa, garantimos a assistência de um veterinário (deles?????), garantimos um mínimo conforto aos animais, podemos garantir, eventualmente, a redução do número de animais, podemos, também eventualmente, evitar que algum experimento seja realizado. mais do que isso não consigo ir... E isso não é o suficiente. Na relação "custo benefício" para a causa, os cutos seriam muito mais pesados....

Uma pergunta: não fazendo parte do comitê, como podemos ficar "de olho"no que estão fazendo?

Obrigada pela tua paciência... ela me ajudou muito, mas muito mesmo... fico te devendo essa...

Agora ficamos aqui com mais tres desafios... encontrar formas efetivas de atuação (especialmente de entrar na universidade), ver o que fazemos com a lei que prevê a participação de protetores nos comitês (e de ontem para hoje dois representantes de ONGs passaram a integrar comitês...) e trabalhar para convencer o pessoal da proteção das idéias e dos conceitos que apresentastes (essa vai ser outra encrenca... )

Agora me ocorreu outra pergunta... "NÃO ESTÁS PENSANDO EM VIR TRABALHAR AQUI PELO RS?????? hehehehehe

Já está tarde e vou encerrar meu expediente por hoje... amanhã é outro dia... e com esse assunto gastei um estoque de neurônios que deveriam me durar mais uns 45 dias... hihihi

mais uma vez, obrigada pela ajuda, foi valiosa

bjs
mluiza



Oi Maria Luiza:

Mesmo não fazendo parte de um comitê de ética, a sociedade tem o direito de ter acesso aos projetos que são submetidos aos mesmos. Ainda mais no que se refere a universidades públicas. Mesmo onde não existem comitês de ética é possível acessar os projetos submetidos às agências de fomento à pesquisa.

Sobre os seus três problemas que você disse que terá que enfrentar:

1) Encontrar formas efetivas de atuação (especialmente de entrar na universidade)

A forma mais efetiva que vejo é através da educação e do bom exemplo. O mais importante é que você consiga provocar a mudança nas pessoas, porque não adianta nada fazer a cabeça delas mas não fazer com que mudem. Por isso, dar o exemplo e não apenas ficar falando o quanto os animais são importantes para nossa sociedade ou outros discursos vazios. O problema real é mais exato, é nele que devemos focar.

Se você tem acesso aos estudantes, veja quais são mais suscetíveis à mensagem . Falar com o reitor ou com o diretor do instituto e convencê-lo será mais difícil porque, mesmo que eles se sensibilizassem, teriam outros interesses envolvidos. Mas os estudantes ainda não estão com a política até o pescoço, são inteligentes e abertos a novas idéias.

Em resumo, as mudanças que vem pra ficar vem de baixo. As que vem de cima logo são derrubadas.


2) Ver o que fazemos com a lei que prevê a participação de protetores nos comitês (e de ontem para hoje dois representantes de ONGs passaram a integrar comitês...)

Eu não faria nada com esta lei. A lei não obriga protetores a participarem de comitês, ela obriga os comitês a aceitarem protetores. Basta que nenhum protetor participe e pronto. Pra ficar ainda mais bonito vocês podiam escrever uma carta bem educada explicando porque se recusam a fazer parte do comitê.

3) trabalhar para convencer o pessoal da proteção das idéias e dos conceitos que apresentastes (essa vai ser outra encrenca... )

É, eu sei bem do que você está falando. Já tive contato com protetores de animais e sei que é mais difícil convencê-los do que convencer uma pessoa que não esteja de forma alguma envolvida com animais. Isto porque por natureza o protetor de animais acredita que o que ele faz é muito (já notou como eles sempre mostram o que fizeram e o que continuam fazendo?) e que quem faz mais do que isto é "radical". Protetores se colocam como 'mártires', e não me identifico com isso, porque se você está fazendo tem que ser por amor e não como se carregasse um fardo. Prefiro as pessoas que não fazem nada pelos animais, tampouco os prejudicam. Mas esta é uma opinião pessoal minha.

O que posso te dizer é que se as pessoas com quem você está trabalhando estão se engajando em ações onde os animais não são beneficiados, pelo contrário, então está na hora de procurar outros parceiros de atividade. Eu nunca fiz parte de uma sociedade de proteção animal, porque quando fui procurá-los eles não eram anti-vivisseccionistas, e ainda pior, sequer eram vegetarianos. Agora parece que eles não promovem mais churrascos beneficentes, mas até pouco tempo atrás ainda faziam.

O que penso é que bem melhor são poucas pessoas trabalhando de forma coesa do que muitas pessoas trabalhando na base do oba-oba. Eu não me preocuparia com os protetores de animais, se eles não forem contigo você arruma outras pessoas que trabalhem direito. Não pretendo ir para trabalhar no RS, mas até que não seria ruim. Gosto daí.

Você não me deve nada. É com muita satisfação que percebo que você entendeu a argumentação. Muitas pessoas me escrevem e ouvem esta mesma argumentação, mas não captam a mensagem e acabam fazendo o oposto, porque acreditam que tudo o que é feito utilizando o nome 'animal' é em seu beneficio. Na prática acontece o oposto. 'Bem-estar animal' não pode ser confundido com 'libertação animal', porque uma coisa nos leva para um lado e a outra para o outro.

beijos

Sérgio

Por favor Entrar ou Registrar para participar da conversa.

  • Página:
  • 1
  • 2
Tempo para a criação da página:0.981 segundos